Não pegue o pombo

16/10/2017

Um pombo nunca cagou em mim.

Nos primeiros anos do ensino fundamental era comum alguém faltar ou chegar atrasado na aula porque foi atacado por um cocô de pombo. Depois disso, já no ensino médio, lembro desse assunto vir à tona e as pessoas comentarem suas histórias e os transtornos que "o ocorrido" gerou: perdi uma prova, cheguei atrasado no curso, perdemos o casamento da minha prima. No meu primeiro emprego, conheci uma menina que sofreu três ataques na mesma rua em menos de um ano - inclusive, a gente passava nessa rua todos os dias.

E eu só ouvia as histórias, calada.

@lulithebunny

Sei que deveria me sentir sortuda por nunca ter passado por isso, mas, na minha cabeça, é uma questão de probabilidade. A probabilidade de alguém encontrar um trevo de quatro folhas é uma em dez mil. Mas, se eu sou uma pessoa que planta cem trevos por dia, a cada dia que passa estou mais próxima de encontrar esse trevo.

Faz sentido? Na minha cabeça faz.

Ando no meio dos pombos de segunda a sábado, pelo menos duas vezes no dia, desde 2009. Oito anos, cerca de trezentos e doze dias por ano, pelo menos duas vezes no dia: são quase CINCO MIL contatos diretos com pombos. Isso sem contar as vezes em que saí pra almoçar (ida e volta, mais dois contatos por dia) ou em que tive que andar várias vezes na frente da mesma pastelaria (por que os pombos amam pastelarias? Fica o questionamento) ou dias anteriores a 2009 em que tive que sair fora daquela rotina casa-escola, escola-casa.

A possibilidade de um pombo cagar na minha cabeça amanhã é iminente.

Posso ser uma vítima A QUALQUER MOMENTO.

Isso fez com que eu ficasse paranoica sobre pombos. Fujo deles como o diabo foge da cruz: atravesso ruas, mudo trajetos, tenho toda uma restrição sobre pastelarias. Pra piorar a paranoia, acabei de descobrir que o tal cocô "pode provocar micoses e problemas respiratórios semelhantes à meningite, como histoplasmose e criptococose ou a clamidiose (bactéria), que causa sintomas variados, de febre à problemas na respiração" (de acordo com uma fonte ~confiabilíssima~ que é o R7).

O que os pombos pensam sobre a minha paranoia? Provavelmente, algo similar à isso:

Mais um post de aniversário (só que esse é o meu)

28/09/2017

Eis que mais de um mês de sumiço e nenhuma justificativa sobre o final do BEDA (ou o fracasso do BEDA, interprete como quiser) estou de volta para comemorar meu aniversário, YAY!

www
Hoje, dia 28 de setembro, eu completo 23 anos de existência nessa terra. No ano passado, fiz um post explicando o porquê de eu não gostar de fazer aniversário + fatos relevantes que aconteceram nos dias 28 de setembro ao longo dos anos (você sabia que dia 28 de setembro é o dia Latino-Americano e Caribenho pela legalização do aborto? Não? Pois então veja meu post do ano passado ~Fim da Autopromoção~). Pra esse ano, temos a famigerada wishlist com várias coisas que eu tenho cobiçado nos últimos meses (ou anos, pois pobre).

Livros da Jane Austen
Amo os livros da Jane Austen porque ela é, simplesmente, a melhor escritora do século XIX & melhor pessoa. Porém, todos os livros que já li dela foram em ebook ou emprestados na biblioteca. Sinto falta de ter uma edição bonita dos livros dela.
- Compre aqui e aqui.

Óculos de sol redondo (estilo Ozzy)
Eu ODEIO essa moda de óculos escuros que tampam mais da metade da cara! Sempre que tento usar um trambolho desses fico digna de protagonizar o próximo filme Bee - A História de Uma Abelha. Um dos motivos de eu não usar óculos com frequência é a dificuldade de encontrar um modelo que não pareça uma máscara de carnaval. Esse modelo ~estilo Ozzy~ é pequeno e tem de várias cores (inclusive, quero o vermelho pra fazer cosplay de Liam Gallagher/Rita Lee).
- Compre aqui.

Mochila Kipling
Meu sonho de consumo é ter uma daquelas malas de rodinha da Kipling (bem blogueirinha mesmo). Eis que um belo dia eu decidi que teria uma: entrei no site deles pra olhar o preço e... desisti da ideia bem rápido ~risos nervosos~. Cada bolsa da Kipling custa mais que um salário mínimo, ou seja, nunca terei nem uma bolsa, quem dirá uma mala. Ano passado comprei uma carteira usada da marca só pra matar a vontade (cara, ser pobre é uma merda). Enfim, separei essa mochila porque sempre uso mochila e me sinto muito mal arrumada. Essa é muito bonita e tem um visual mais arrumadinho.
- Compre aqui.

Maneki Neko
Esse bonequinho é considerado na cultura japonesa como um símbolo de sorte e prosperidade. Eles tem significados diferentes de acordo com a cor (você pode consultar aqui) e eu tenho quase certeza de que a pata dele também tem algum significado (se for a direita ou a esquerda levantada, algo assim).
- Compre aqui (ou em qualquer camelô japonês/chinês por aí).


Batom mate Mary Kay
Quase não uso maquiagem porque não sei usar direito e morro de medo de passar vergonha, mas esse batom conquistou meu coração, pois 1) tem uma cor mais neutra, o que disfarça minha falta de habilidade e 2) ELE NÃO SAI NEM FERRANDO. Sabe quando você come e o batom fica só nas beiradas da boca? Esse batom não fica assim de jeito nenhum. Amor verdadeiro ♥
- Compre aqui (tem outras cores também).

Havaianas Mulher Maravilha
Os ~look do dia~ mais frequentes na minha vida são pijamas. E o que combina perfeitamente com pijamas? Chinelos! Sim, eu sei que pantufas são mais legais, mas no calor desse Brasil não dá pra ficar com um troço de pelúcia o dia todo. Chinelos são confortáveis e, graças as novas modas, são legais pra caramba. Esse da Mulher Maravilha ganhou meu coração, mas a Havaianas também tem chinelos dos Simpsons, do Mario Bros e dos Looney Tunes que são puro amor.
- Compre aqui.

Instax Mini 8
Quem não quer pagar de hipster com essas câmeras instantâneas, não é mesmo? Desde que comecei (e, como de costume, larguei pela metade) o Project360 estou cobiçando uma dessas. A câmera em si não é cara, mas o papel fotográfico dela... Jesus. Na hora de fazer as contas, cada pose sai por mais de três reais! Sem contar que eu tenho zero habilidade com esse tipo de câmera, então ia precisar treinar as configurações e, consequentemente, gastar muito dinheiro.
- Compre aqui.

Botas ♥  
Botas são melhores calçados que existem! Não posso usar sapatilha no meu emprego porque entrar com sapato aberto nos laboratórios é contra as regras, então botas são uma ótima alternativa. Amei esses modelinhos que coloquei na foto, o de cima é da Cravo e Canela e o outro é da Bottero.
- Compre aqui e aqui.


Caderninhos Meu Libretto
Essas coisas maravilhosas que vocês estão vendo na imagem são, acreditem, sketchbooks. Conheci a Meu Libretto por causa do meu vício em caderninhos. Depois de muito procurar pela internet e ficar insatisfeita com os preços (um stetchbook da Moleskine custa entre 80 e 120 reais!), encontrei a loja deles. Além de terem preços acessíveis, eles tem vários modelos temáticos de livros, filmes e cultura pop. Já tentei comprar esse temático de Orgulho e Preconceito, mas todas as vezes em que procurei no site ele estava esgotado e essa coleção em formato de fica VHS sempre me deixa confusa pois "será que eu compro Laranja Mecânica, Clube da Luta ou Forest Gump?". São todos maravilhosos.
- Compre aqui e aqui.

Coisas sobre Rick & Morty
Vocês já assistiram Rick & Morty? Várias ~pessoas da internet~ começaram a idolatrar e recomendar esse desenho e eu fiquei de saco cheio de ouvir todo mundo falando sobre isso o tempo todo. Até que chegou o dia em que eu estava em casa rolando pelas opções da Netflix e decidi ver. E então PUFFF virei um das pessoas que idolatram e recomendam esse desenho o tempo todo. A coisa que mais me cativou no desenho foi o humor muito pesado e errado. Inclusive, já aviso, se você é da turma do politicamente correto ou que se ofende fácil, não assista. O desenho não perdoa nada, nem ninguém. 


E esses são meus desejos de consumo no momento. Se você quiser me dar um presente de aniversário, me segue no twitter ou no instagram. Vamos conversar sobre a vida, o universo e tudo mais (e música)(e Rick and Morty). E não esquece de me contar nos comentários quais dessas coisas também fazem parte da sua wishlist.

1 ano de LAPSOS - BEDA 2017

24/08/2017

Dia 24
Also Known As "hoje vai ser uma feeeestaa, bolo e guaraná, muitos doces pra você"

Há exatamente um ano atrás eu decidi que já tinha passado tempo de mais querendo ter um blog. O Lapsos nasceu de um monte de vontades: de conhecer pessoas legais, de falar coisas na internet, de escrever mais, de ter um cantinho pra registrar minhas memórias, de fazer uso da minha pasta de gifs, de contar coisas aleatórias sobre mim e sobre minha vida pra pessoas que não me conhecem in real life e que não iam rir ou julgar e de colocar pra fora um monte de coisas que me habitavam.

www
Eu e o Lapsos (sim, pra mim ele é quase uma pessoa, por isso quase sempre eu escrevo no plural. Somos nós, eu e o menino Lapsos) já passamos por algumas fases e estamos quase sempre em crise. "Será que o conteúdo é bom? Eu deveria escrever pra mim ou pros outros? Layouts de uma coluna são tão bonitos... Mas eu queria ter uma sidebar pra colocar uns links... Será que esse nome é bom? Na verdade é um nominho bem bosta, né? Como será que eu tive essa ideia, mesmo? E se esse post estiver muito bad vibes? Acho que vou colocar um gif fofinho aqui pra quebrar esse climão."

No meio desse turbulhão, sobrevivemos. Não foi um mar de rosas, tão pouco deixou de ter lágrimas. Pra falar a verdade, estamos respirando por aparelhos na maior parte do tempo. E eu não sei mais o que dizer além de obrigada. Obrigada a todo mundo que gastou uns minutinhos da vida pra dividir sua opinião comigo nos comentários, que leu o que eu coloquei pra fora e entendeu, que se empolgou junto comigo quando discutimos alguns temas e que se dá ao trabalho de dar uma clicadinha aqui sempre que dá. Muito obrigada, de verdade.

Acho que já falei sobre isso aqui, mas eu sempre vou acabar escrevendo. Acho que nasci uma pessoa que escreve e não consigo fugir disso. Mesmo que eu não escreva bem e que eu deixe de fazer sentido mais da metade do tempo, escrever é o que eu faço e é o que vou continuar fazendo independente de ter ou não alguém do outro lado pra ler. Mas é TÃO gratificante quando esse alguém existe.

Acho que estou ficando velha, porque cada vez mais acho que o tempo está passando rápido. Um ano é muito tempo.

Obrigada por terem frequentado esse canto durante esses 365 dias. Espero que vocês continuem aparecendo.

Vejo vocês amanhã.